sábado, 5 de setembro de 2009

Dr. Galdino de Castro



A um painel



Galdino, olhando tua imagem, à entrada de teu sonho realizado, descubro que, afinal, não sei tanto sobre ti.

Não sei, por exemplo, quem foram teus amores, quais os teus temores...

Não sei por que caminhos tiveste que seguir, que preconceitos tiveste que enfrentar, quantas lutas tiveste que travar para te tornares o grande homem que foste...

Não sei quais foram tuas angústias sob noites tenebrosas; tampouco quais as tuas alegrias em iluminados dias.

Não consigo adivinhar, em tua postura nobre, os pensamentos mesquinhos ou ideias odiosas que porventura tenham passado em tua mente.

Não sei se os teus dias foram claros e alegres ou turvos , tenebrosos e difíceis.

Não sei as dores que sentiste ( não as do corpo - pois são banais,- mas as do espírito , que estas são profundas) e que forjaram a tua fortaleza.

Olhando para tua imagem no painel não adivinho tua simplicidade ou o teu gesto muito humano; apenas ouso enxergar o teu sonho, o sonho de um médico baiano.

Olho ao redor, diviso as grandiosas paredes que me rodeiam, imagino o teu projeto quando era apenas sonho e , no burburinho de passos e vozes, sinto que tu foste recompensado: o teu ideal vibra e pulsa, acolhe e faz crescer.

O teu sonho comanda outros sonhos, abriga outras vidas e tantos risos.
De uma forma inesperada, o teu sonho contém um ar de mistério e nostalgia; respira e aquece. Teu sonho agora carrega o teu nome, o teu sonho é esta escola "Galdino de Castro": um desejo que criou vida, que acende ilusões; nobre como tu, certamente, o foste, imponente e grande.
Apesar da biografia lida e exibida ao lado de tua fotografia, não te conheço profundamente, apenas diviso o teu olhar idealizador, amo, conheço e admiro o teu sonho.

Verifico que não encontro disto tudo neste mundo aquilo que supere o teu retrato, o retrato de um homem que teve a coragem de ousar.



M.A.N.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário